Resolve, Daniel! Ou A igreja que não ora pelo Brasil

Sem dúvida alguma, um dos assuntos mais importantes sendo discutidos hoje, em todo o mundo, é o relacionamento entre religião e política. No Oriente Médio, vemos desde a proibição de um partido religioso no Egito (a Irmandade Muçulmana) até os conflitos com o Estado Islâmico, que impõe uma versão radical da sharia em seus territórios. No Ocidente, assuntos como o casamento homoafetivo, o aborto, a educação de filhos e a imigração geram intensos debates sobre a liberdade religiosa e a laicidade do Estado. Nas ditaduras, procura-se controlar rigorosamente qualquer tipo de manifestação religiosa, para evitar a queda de regimes, como aconteceu no Leste Europeu, onde os cristãos ajudaram a derrubar o comunismo. Basta lembrar o papel do papa João Paulo II na luta contra o comunismo polonês.

No Brasil, não é diferente…mas, como sempre, tem a sua particularidade. Por um lado, as bancadas católica e evangélica são atuantes e recebem várias críticas nos assuntos comportamentais, como aqueles ligados ao aborto e ao homossexualismo. Contudo, a atuação morre aí. Enquanto o Brasil assiste a uma grave crise política, com denúncias de corrupção, pedidos de impeachment da presidente e manifestações que levam milhares de pessoas às ruas, os políticos e as igrejas evangélicas permanecem em silêncio. Nenhuma palavra, seja em uma direção, seja em outra, é dita. É como se o Evangelho não tivesse nenhuma resposta ou orientação para a realidade do nosso país.

Manifestação do dia 12 de abril em Brasília (DF)
Manifestação do dia 12 de abril em Brasília (DF)

Um silêncio inexplicável
Contudo, esse silêncio é, no mínimo, incoerente, em qualquer grande segmento do cristianismo. Os católicos sempre influenciaram a política, tanto que até hoje o papa se pronuncia regularmente sobre a política internacional. Já a Reforma Protestante desconectou o poder dos reis da Igreja Católica, trouxe guerras e revoluções políticas e ajudou a acabar com o absolutismo medieval. Várias experiências políticas surgiram do protestantismo, como a famosa Genebra de João Calvino.

Como já dissemos, Genebra era uma cidade governada por concílios. Antes de Calvino não havia uma normatização legislativa organizada e explicitada para todos. Movido pelo seu zelo de sempre ser fiel ao ensino moral da Bíblia, e ajudado por seu conhecimento jurídico, ele foi o agente e mentor de várias mudanças políticas. É bem verdade que Calvino só foi chamado para se envolver ajudando na confecção do corpo de leis para a cidade, posteriormente à sua intensa atividade na reformulação da vida religiosa. Aqui destacamos dois pontos, por considerá-los de maior grandeza, a relação entre a igreja e estado, e o governo com a participação popular. (Rev. Sérgio Paulo Ribeiro Lyra)

Mesmo entre os pentecostais, o simples fato deles se engajarem para eleger uma numerosa bancada evangélica já mostra que há o entendimento de que eles devem influenciar a política. Até grupos cristãos historicamente mais enfáticos na separação entre a Igreja e o Estado, como é o caso dos batistas, possuem um Martin Luther King Jr que mudou a história dos Estados Unidos.

Historicamente, a omissão dos protestantes e evangélicos brasileiros é inexplicável. A história, a teologia e a prática da maioria desses grupos mostra que eles não consideram que a Igreja deva permanecer alheia aos debates políticos. O passado e o presente mostram que eles não consideram que a Igreja deva cuidar somente de assuntos espirituais. No caso específico dos seguidores de João Calvino é ainda pior, já que eles seguem o ensino de que não há uma separação entre o sagrado e o secular e que tudo é sagrado.

Argumentos como “devemos nos preocupar com a evangelização” ou de que apenas assuntos ligados à fé devem ser falados nos púlpitos e nos palanques mostram-se hipócritas quando há um empenho para eleger deputados ou se celebra a vida e a morte de cristãos que atuaram politicamente, como Dietrich Bonhoeffer, que foi executado por sua luta contra o nazismo.

Dietrich Bonhoeffer
Dietrich Bonhoeffer

O silêncio pecaminoso dos líderes
Mas pior do que a incoerência histórica é o pecado de omissão que se esconde por trás desse silêncio. Sim, é verdade que nem Jesus e nem os discípulos se engajaram para derrubar o Império Romano ou para implementar um reino de Deus terreno. Sim, é verdade que Jesus ensinou que devemos dar a César o que é de César e a Deus o que é de Deus. Contudo, isso não implica que o Novo Testamento silencie sobre os pecados e deformidades da política. Além do exemplo claro de João Batista, há várias condenações mais discretas (porém claras) presentes no texto neotestamentário.

Assim, pois, com muitas outras exortações anunciava o evangelho ao povo; mas Herodes, o tetrarca, sendo repreendido por ele, por causa de Herodias, mulher de seu irmão, e por todas as maldades que o mesmo Herodes havia feito,acrescentou ainda sobre todas a de lançar João no cárcere. (Lucas 3:18-20)

Naquela mesma hora, alguns fariseus vieram para dizer-lhe: Retira-te e vai-te daqui, porque Herodes quer matar-te. Ele, porém, lhes respondeu: Ide dizer a essa raposa que, hoje e amanhã, expulso demônios e curo enfermos e, no terceiro dia, terminarei. (Lucas 13:31-32)

Mas Jesus lhes disse: Os reis dos povos dominam sobre eles, e os que exercem autoridade são chamados benfeitores. Mas vós não sois assim; pelo contrário, o maior entre vós seja como o menor; e aquele que dirige seja como o que serve. (Lucas 22:25-26)

Ouvindo isto, unânimes, levantaram a voz a Deus e disseram: Tu, Soberano Senhor, que fizeste o céu, a terra, o mar e tudo o que neles há; que disseste por intermédio do Espírito Santo, por boca de Davi, nosso pai, teu servo: Por que se enfureceram os gentios, e os povos imaginaram coisas vãs? Levantaram-se os reis da terra, e as autoridades ajuntaram-se à uma contra o Senhor e contra o seu Ungido; porque verdadeiramente se ajuntaram nesta cidade contra o teu santo Servo Jesus, ao qual ungiste, Herodes e Pôncio Pilatos, com gentios e gente de Israel, para fazerem tudo o que a tua mão e o teu propósito predeterminaram; agora, Senhor, olha para as suas ameaças e concede aos teus servos que anunciem com toda a intrepidez a tua palavra, enquanto estendes a mão para fazer curas, sinais e prodígios por intermédio do nome do teu santo Servo Jesus. (Atos 4:24-30)

Então, exclamou com potente voz, dizendo: Caiu! Caiu a grande Babilônia e se tornou morada de demônios, covil de toda espécie de espírito imundo e esconderijo de todo gênero de ave imunda e detestável, pois todas as nações têm bebido do vinho do furor da sua prostituição. Com ela se prostituíram os reis da terra. Também os mercadores da terra se enriqueceram à custa da sua luxúria. (Apocalipse 18:2-3)

Seja por meio da pregação (João Batista), do ensino (Jesus), das orações (os apóstolos em Atos) ou da profecia (o anúncio do julgamento divino no Apocalipse), a Igreja neotestamentária denunciou o pecado dos governantes seculares. O simples fato de tais relatos serem registrados por escrito e lidos nas igrejas já era uma forma de pregar contra o pecado. O Novo Testamento não é o fim da vigorosa atuação política profética que existia no Antigo Testamento. A ênfase é outra (a teocracia judaica acabou), mas a pregação continua viva.

O que não se pode aceitar é que os pastores e líderes cristãos fiquem em silêncio diante do que acontece no Brasil. Que não exista uma voz de destaque que se levante para despertar a Igreja e mobilizá-la diante da grave situação de crise que enfrentamos. Sem pregações e ensinos da liderança, a Igreja apenas assiste ao que está acontecendo e é levada pelo rumo dos acontecimentos.

Martin Luther King Jr em Selma
Martin Luther King Jr em Selma

O silêncio pecaminoso dos fiéis

O silêncio nos púlpitos e no ensino da Igreja é culpa dos pastores e líderes. Mas os liderados não podem se omitir da culpa pela ausência de orações em favor do Brasil. Hoje não há um único movimento nacional de orações pelo país e por nossas autoridades. Quebramos assim o mandamento bíblico que nos mostra como podemos ter uma vida tranquila e mansa.

Antes de tudo, pois, exorto que se use a prática de súplicas, orações, intercessões, ações de graças, em favor de todos os homens, em favor dos reis e de todos os que se acham investidos de autoridade, para que vivamos vida tranqüila e mansa, com toda piedade e respeito. (1 Timóteo 2:1-2)

Por que o Brasil vive uma onda de violência tão grande, a ponto de morrerem mais pessoas aqui do que em guerras sangrentas em outros países? Por que não temos tranquilidade para investir e prosperar economicamente? Por que a piedade e o respeito se tornaram raros, enquanto o país mergulha na sensualidade de prazeres carnais e na irreverência desmedida com tudo e com todos? A culpa é de quem? Do Governo? Antes de culparmos os outros, assumamos que a culpa é minha e é sua, de todos os cristãos filhos de Deus que oram e suplicam pouco pelo país e por nossas autoridades. Quando fazemos isso, não é mesmo?

Apenas colhemos o que plantamos. A Bíblia nos mostra o caminho para a transformação da sociedade. Mas o silêncio dos púlpitos acaba produzindo o silêncio dos fiéis em seus quartos e cultos. Como nunca se prega sobre o país, tendemos a pensar que esse tipo de assunto não faz parte da vida cristã. De modo bem torto, concordamos com todos os militantes ateus que falam que a fé deve ser completamente excluída da política.

Nas poucas vezes que pude visitar igrejas norte-americanas, pude ver que lá não é assim. Vi pastores comentando sobre política durante os cultos e fazendo orações pelas autoridades nacionais e municipais. Vi orações serem feitas sobre assuntos debatidos no Congresso americano e até sobre protestos em países islâmicos. E tudo isso no culto dominical: era um momento de oração rotineiro. Se um fiel de lá quiser orar pelo país na vida diária, ele saberá pelo que orar. E no Brasil?

Resolve, Daniel!

Como resolver isso? Talvez um movimento de oração, o Desperta Débora, tenha uma resposta. Nos anos 90, mães começaram a se encontrar para interceder a Deus pela vida dos seus filhos. Baseados no exemplo bíblico de Débora, elas foram “despertas” e começaram a orar. Tenho certeza que as mães que foram fiéis em oração terão muitas histórias maravilhosas para contar sobre como Jesus salvou e preservou seus filhos ao longo desses últimos 20 anos.

Hoje é preciso que nos inspiremos em outra figura bíblica, e sugiro o profeta Daniel. Nele vejo o que falta a líderes e a fiéis. Como profeta, ele não teve receio de apontar o pecado e aconselhar reis poderosos.

Portanto, ó rei, aceita o meu conselho e põe termo, pela justiça, em teus pecados e em tuas iniqüidades, usando de misericórdia para com os pobres; e talvez se prolongue a tua tranqüilidade. (Daniel 4:27)

Tu, Belsazar, que és seu filho, não humilhaste o teu coração, ainda que sabias tudo isto. E te levantaste contra o Senhor do céu, pois foram trazidos os utensílios da casa dele perante ti, e tu, e os teus grandes, e as tuas mulheres, e as tuas concubinas bebestes vinho neles; além disso, deste louvores aos deuses de prata, de ouro, de bronze, de ferro, de madeira e de pedra, que não vêem, não ouvem, nem sabem; mas a Deus, em cuja mão está a tua vida e todos os teus caminhos, a ele não glorificaste. (Daniel 5:22-23)

Daniel não foi somente um profeta e um confrontador ousado. Ele foi também um homem que orava intensamente pelo seu povo.

Falava eu ainda, e orava, e confessava o meu pecado e o pecado do meu povo de Israel, e lançava a minha súplica perante a face do SENHOR, meu Deus, pelo monte santo do meu Deus (Daniel 9:10)

O que nos falta é isso. Precisamos nos reunir para orar pelo país. Para confessar o nosso pecado individual e os pecados do nosso povo. Para suplicar, ou seja, orar intensamente, pedir intensamente pela transformação do Brasil. Sem isso, que mudança podemos esperar?

O que nos falta é resolvermos fazer isso. No momento em que tomarmos uma decisão, aí sim começaremos a fazer.

Resolveu Daniel, firmemente, não contaminar-se com as finas iguarias do rei, nem com o vinho que ele bebia; então, pediu ao chefe dos eunucos que lhe permitisse não contaminar-se. (Daniel 1:8)

Resolve, “Daniel”! Aí sim o Senhor vai nos usar para mudar o Brasil.

Graça e paz do Senhor,

Helder Nozima
Barro nas mãos do Oleiro

Anúncios

O problema não é o PT, o PSDB ou o PMDB

Em 2013, parecia que o Brasil iria mudar. Tudo começou com uma manifestação promovida pelo Movimento Passe Livre (MPL) contra um reajuste nas passagens de ônibus em São Paulo, que subiram 20 centavos. De repente, os protestos se espalharam pelo país e abrigaram uma série de outras questões, como os gastos com a Copa do Mundo, a saúde pública e a educação. No ápice, mais de 1 milhão de brasileiros protestaram. Em uma cena emblemática, os manifestantes ocuparam a rampa do Congresso Nacional. Parecia que, finalmente, o Brasil estava dando um basta à corrupção e à má gestão dos serviços públicos. Vários jornalistas e analistas “profetizavam” uma mudança na História do Brasil.

protestocongresso

Nada como a realidade para desmascarar os falsos profetas. E, em 2015, o Brasil parece cada vez mais…o Brasil que sempre foi! Como se não bastassem todos os problemas que já existiam em 2013, diretores de empreiteiras e a elite política do Brasil aparecem envolvidas nas investigações da Operação Lava-Jato, e a presidente atual e o último presidente podem estar no esquema. As investigações sugerem que dinheiro de empresas estatais era desviado para pagar parlamentares da base de sustentação do Governo. A maior empresa brasileira, a Petrobrás, está perdendo valor por causa dos escândalos de corrupção.  O preço da gasolina subiu e as previsões são de crescimento econômico em baixa e inflação em alta. Pra piorar, há uma crise no abastecimento de água e no fornecimento de energia elétrica. E aí, vem a pergunta: onde está o povo?

Se, em 2013, a situação estava tão ruim, agora que as coisas estão piores, o povo deveria estar ainda mais indignado, certo? Errado. Os governantes são os mesmos. As forças políticas que controlam o Congresso Nacional são as mesmas. Nada mudou. Nem mesmo a reação política do brasileiro comum: de indiferença e apatia. Continuamos com a reação clássica de reclamar, dizendo que está tudo ruim, e de não fazer nada para mudar. Votamos nos mesmos candidatos, insistimos nas mesmas ideias, temos o mesmo envolvimento de sempre…e achamos que colheremos um resultado diferente.

A culpa também é do povo
E de quem é a culpa? Dos governantes, diz logo o brasileiro comum. Sim, diria eu. Mas não apenas deles. Biblicamente, os líderes quase nunca caem sozinhos. Eles são um reflexo do povo. Vale lembrar que, no nosso sistema de governo, quem elege os representantes somos nós! E, quando o povo se cala, é porque ele é tão culpado quanto os seus príncipes.

A Bíblia mostra claramente isso quando lemos os profetas. No século VI antes de Cristo, perto da destruição de Jerusalém, o reino de Judá sofria com reis terríveis. À exceção do reinado de Josias, os últimos reis de Judá encheram a Jerusalém com sangue, idolatria e corrupção. E a resposta de Deus era a de que toda a sociedade havia apodrecido, inclusive o povo.

Eis que os príncipes de Israel, cada um segundo o seu poder, nada mais intentam, senão derramar sangue. No meio de ti, desprezam o pai e a mãe, praticam extorsões contra o estrangeiro e são injustos para com o órfão e a viúva. Desprezaste as minhas coisas santas e profanaste os meus sábados. Homens caluniadores se acham no meio de ti, para derramarem sangue; no meio de ti, comem carne sacrificada nos montes e cometem perversidade. No teu meio, descobrem a vergonha de seu pai e abusam da mulher no prazo da sua menstruação. Um comete abominação com a mulher do seu próximo, outro contamina torpemente a sua nora, e outro humilha no meio de ti a sua irmã, filha de seu pai. No meio de ti, aceitam subornos para se derramar sangue; usura e lucros tomaste, extorquindo-o; exploraste o teu próximo com extorsão; mas de mim te esqueceste, diz o SENHOR Deus. (Ezequiel 22:6-12)

Filho do homem, a casa de Israel se tornou para mim em escória; todos eles são cobre, estanho, ferro e chumbo no meio do forno; em escória de prata se tornaram. (Ezequiel 22:18)

O profeta Jeremias era contemporâneo de Ezequiel e dizia a mesma coisa, mas de modo oposto. Quando o pecado permeia a sociedade, o nível de educação não importa: todos são insensatos, o povo e a elite.

Mas eu pensei: são apenas os pobres que são insensatos, pois não sabem o caminho do SENHOR, o direito do seu Deus. Irei aos grandes e falarei com eles; porque eles sabem o caminho do SENHOR, o direito do seu Deus; mas estes, de comum acordo, quebraram o jugo e romperam as algemas. (Jeremias 5:4-5)

No final do livro de Jeremias isso fica claro. Jerusalém foi destruída. Os judeus foram julgados pelo Senhor por causa da idolatria, da violência, da imoralidade sexual e da corrupção que marcaram a sociedade do século VI antes de Cristo. A elite havia sido punida: ou foram mortos pelos babilônios ou estavam no exílio. O profeta Jeremias pregava aos sobreviventes que eles deveriam se voltar para o Senhor. Mas, qual foi a resposta do povo?

Então, responderam a Jeremias todos os homens que sabiam que suas mulheres queimavam incenso a outros deuses e todas as mulheres que se achavam ali em pé, grande multidão, como também todo o povo que habitava na terra do Egito, em Patros, dizendo: Quanto à palavra que nos anunciaste em nome do SENHOR, não te obedeceremos a ti; antes, certamente, toda a palavra que saiu da nossa boca, isto é, queimaremos incenso à Rainha dos Céus e lhe ofereceremos libações, como nós, nossos pais, nossos reis e nossos príncipes temos feito, nas cidades de Judá e nas ruas de Jerusalém; tínhamos fartura de pão, prosperávamos e não víamos mal algum. Mas, desde que cessamos de queimar incenso à Rainha dos Céus e de lhe oferecer libações, tivemos falta de tudo e fomos consumidos pela espada e pela fome. Quando queimávamos incenso à Rainha dos Céus e lhe oferecíamos libações, acaso, lhe fizemos bolos que a retratavam e lhe oferecemos libações, sem nossos maridos?(Jeremias 44:15-18)

O povo não apenas era conivente com o pecado, como o aprovava! A cegueira era tanta que, para o povo, a prosperidade acontecia era quando eles viviam no pecado! Não dá pra dizer que Jerusalém foi destruída porque as elites conduziram mal o povo, porque os reis eram perversos e o povo, tadinho…aqueles inocentes pagaram pelo erro de seus líderes! Não!!!! O povo era co-responsável! O coração dos líderes era como o coração do povo! Assim como os reis e príncipes de Judá se regozijavam com o pecado, o povo também gostava!

carnaval

O que o Brasil vive hoje é muito parecido. Das 50 cidades mais violentas do mundo, 19 são brasileiras. A imoralidade sexual é uma marca registrada do país: até nas igrejas cristãs, o sexo fora do casamento é comum e a sensualidade é valorizada na hora de se escolher um cônjuge. O brasileiro venera santos, dá ofertas a orixás, lê livros espíritas mas não abre a Bíblia. Mesmo os que se dizem cristãos não hesitam em trazer ofertas a estátuas de santos ou em pregar um Evangelho que não é o bíblico. Os políticos evangélicos são figuras frequentes em escândalos ou denúncias de corrupção. E a culpa é dos políticos?

Não, meus caros: a culpa é nossa! A culpa é do povo, que é tão impuro hoje como os judeus do século VI antes de Cristo! E o que Deus dizia de Judá aplica-se ao Brasil de hoje também! Nós também somos todos como a escória! Somos tão corruptos e culpados como os políticos que nós elegemos para nos representar…e eles, de fato, nos representam!

A culpa é da Igreja
Que os “profetas” do mundo responsabilizem apenas um ou dois partidos pelo caos em que o Brasil se encontra, é compreensível. Mas que os profetas do Altíssimo entreguem uma mensagem parcial e incompleta, isso não é aceitável. É preciso que o pecado do povo seja denunciado profeticamente! Os pecados precisam ser anunciados pelo nome, o juízo de Deus precisa ser claramente declarado e a linguagem deve ser forte!

Só que não é isso o que acontece. Pelo que eu tenho visto e ouvido pessoalmente, as igrejas estão mais preocupadas em crescer numericamente do que em proclamar a Palavra de Deus. E isso significa uma grande preocupação em agradar as pessoas. A conclusão é que raramente o pecado é apontado e confrontado diretamente nos púlpitos. Prefere-se uma abordagem mais light, tentando mostrar que o Evangelho é mais atraente que o pecado. Ou então retratamos o pecado como um fracasso pessoal, em uma linguagem onde nós somos pintados como vítimas, e não como réus. Evita-se, ao máximo, responsabilizar individualmente uma pessoa e foge-se de textos que dizem, por exemplo, que somos como a escória.

Isso quando não ocultamos pecados porque, bem, ele pode comprometer a Igreja diante da comunidade. Vou dar o exemplo de Brasília. Bairros inteiros, como Arniqueira, Cidade Estrutural, Itapoã e vários condomínios de classe média no Jardim Botânico, por exemplo, começaram com invasões de terra pública, até mesmo de áreas de preservação ambiental. Onde estão os pastores que pregam, nos púlpitos, que os invasores pecaram? Que as invasões em áreas ambientais são as responsáveis pela falta d’água no futuro? Ninguém fala, nós queremos que eles se tornem cristãos. E assim o pecado não é denunciado.

macacomudo

Muitos pastores e fiéis acham que isso é amar as pessoas. Se não confrontamos esses pecados centrais, que amarraram economicamente os pecadores, então eles vão ouvir o Evangelho, se arrepender e herdarão a vida eterna! Mas esse “amor” é apenas rejeição da Bíblia e produz a condenação do nosso país.

Ouvi a palavra do SENHOR, vós, filhos de Israel, porque o SENHOR tem uma contenda com os habitantes da terra, porque nela não há verdade, nem amor, nem conhecimento de Deus. O que só prevalece é perjurar, mentir, matar, furtar e adulterar, e há arrombamentos e homicídios sobre homicídios. Por isso, a terra está de luto, e todo o que mora nela desfalece, com os animais do campo e com as aves do céu; e até os peixes do mar perecem. Todavia, ninguém contenda, ninguém repreenda; porque o teu povo é como os sacerdotes aos quais acusa. Por isso, tropeçarás de dia, e o profeta contigo tropeçará de noite; e destruirei a tua mãe. O meu povo está sendo destruído, porque lhe falta o conhecimento. Porque tu, sacerdote, rejeitaste o conhecimento, também eu te rejeitarei, para que não sejas sacerdote diante de mim; visto que te esqueceste da lei do teu Deus, também eu me esquecerei de teus filhos. (Oséias 4:1-6)

Esse Evangelho light, embalado em uma abordagem moderna e acolhedora, que evita ao máximo dizer o pecado com todas as letras e que não joga sobre nós, pecadores, o peso de nossas ações, esse Evangelho que ignora a Lei e não clama por verdadeiro arrependimento, ele é que mata o Brasil! Precisamos entender que, enquanto o pecado é tolerado, a terra toda sofre. Enquanto o brasileiro não conhecer a Bíblia, ele perecerá!

E essa falta de conhecimento também mata os que seguem pastores legalistas, que se preocupam com coisas que não são pecado e ignoram o verdadeiro pecado da nossa nação. Temos quem pregue contra a televisão, a maquiagem e a calça comprida, mas que não pregam contra a avareza, a violência doméstica, o desejo de violência e de vingança, entre outros problemas do coração do brasileiro.

Precisamos de menos legalistas e de menos pregadores de voz agradável, e de mais profetas que anunciem o verdadeiro pecado do Brasil!

Jesus leva a culpa sobre si
Tampouco adianta, porém, apenas denunciar o pecado vigorosamente e lançar a culpa sobre as pessoas. O profeta leva o povo a se entristecer e a se envergonhar de seus pecados. O profeta leva o povo a se colocar no seu devido lugar e a entender que o pecado é nosso, e não apenas dos nossos representantes. Mas ele também oferece salvação aos que o ouvem.

Naquele dia, diz o SENHOR, ela me chamará: Meu marido e já não me chamará: Meu Baal. Da sua boca tirarei os nomes dos baalins, e não mais se lembrará desses nomes. Naquele dia, farei a favor dela aliança com as bestas-feras do campo, e com as aves do céu, e com os répteis da terra; e tirarei desta o arco, e a espada, e a guerra e farei o meu povo repousar em segurança. Desposar-te-ei comigo para sempre; desposar-te-ei comigo em justiça, e em juízo, e em benignidade, e em misericórdias; desposar-te-ei comigo em fidelidade, e conhecerás ao SENHOR. Naquele dia, eu serei obsequioso, diz o SENHOR, obsequioso aos céus, e estes, à terra; a terra, obsequiosa ao trigo, e ao vinho, e ao óleo; e estes, a Jezreel.Semearei Israel para mim na terra e compadecer-me-ei da Desfavorecida; e a Não-Meu-Povo direi: Tu és o meu povo! Ele dirá: Tu és o meu Deus! (Oséias 2:16-23)

Porque esta é a aliança que firmarei com a casa de Israel, depois daqueles dias, diz o SENHOR: Na mente, lhes imprimirei as minhas leis, também no coração lhas inscreverei; eu serei o seu Deus, e eles serão o meu povo. Não ensinará jamais cada um ao seu próximo, nem cada um ao seu irmão, dizendo: Conhece ao SENHOR, porque todos me conhecerão, desde o menor até ao maior deles, diz o SENHOR. Pois perdoarei as suas iniqüidades e dos seus pecados jamais me lembrarei. (Jeremias 31:33-34)

Então, me disse: Filho do homem, estes ossos são toda a casa de Israel. Eis que dizem: Os nossos ossos se secaram, e pereceu a nossa esperança; estamos de todo exterminados. Portanto, profetiza e dize-lhes: Assim diz o SENHOR Deus: Eis que abrirei a vossa sepultura, e vos farei sair dela, ó povo meu, e vos trarei à terra de Israel. Sabereis que eu sou o SENHOR, quando eu abrir a vossa sepultura e vos fizer sair dela, ó povo meu. Porei em vós o meu Espírito, e vivereis, e vos estabelecerei na vossa própria terra. Então, sabereis que eu, o SENHOR, disse isto e o fiz, diz o SENHOR. (Ezequiel 37:11-14)

O mesmo pode acontecer com o Brasil. Entendam: não há ressurreição sem morte. Por isso, quando os que conhecem a Deus pararem de tentar esconder a verdade, e os brasileiros entenderem claramente que estão mortos e que precisam se arrepender e mudar…quando isso acontecer, o coração dos brasileiros estará aberto para acolher a verdadeira mensagem do Evangelho. Aí sim estaremos prontos para confiar em Jesus como Aquele que leva sobre si os nossos pecados e estaremos dispostos a deixar que Ele viva por meio de nós. Aí nós podemos começar a sonhar com um Brasil melhor.

Mas Deus, sendo rico em misericórdia, por causa do grande amor com que nos amou, e estando nós mortos em nossos delitos, nos deu vida juntamente com Cristo, – pela graça sois salvos, e, juntamente com ele, nos ressuscitou, e nos fez assentar nos lugares celestiais em Cristo Jesus; para mostrar, nos séculos vindouros, a suprema riqueza da sua graça, em bondade para conosco, em Cristo Jesus. (Efésios 2:4-7)

Graça e paz do Senhor,

Helder Nozima
Barro nas mãos do Oleiro