Fetos, cachorros e baratas

Mais uma vez um caso ganhou proporções descabidas no Brasil, devido a mídia moderna ultra viral. Me refiro ao caso do cachorro no Carrefour. Em resumo: um cachorro que vivia constantemente na porta no Carrefour foi espancado até a morte essa semana, num ato de crueldade. Logo surgiram os defensores dos animais (e os pseudodefensores), vociferando contra o ato. Obviamente, não é preciso dizer que o ato foi cruel, e que não devemos tratar desse modo os animais. O que chama a atenção na verdade, é o fato de a morte de um cachorro criar um clima de comoção em poucas horas em um país inteiro, e as várias mortes de vida humana, sejam os fetos por aborto ou os milhares de assassinatos no país, não chegarem nem aos pés dessa comoção. Na verdade a inversão de valores na nossa sociedade é clara: defende-se e valoriza-se muito mais os animais do que a vida humana. Vivemos semelhante a povos primitivos que adoravam animais, mas sacrificavam bebês deformados. A questão é: como deveríamos lidar com o homem e com os animais? Creio que grande parte dessa resposta está contida na narrativa da Criação. Eu explico:

A imagem e semelhança de Deus

Primeiro eu preciso argumentar sobre como lidar com a vida humana. O fato de Deus ter criado o homem a sua imagem e semelhança já é motivo suficiente para entender que o homem possui mais valor que os animais. Ele é a coroa da criação, e distinto de todos os demais seres, de forma que deveríamos estar muito mais comovidos com a morte de pessoas do que com a morte de qualquer animal. Um dos mandatos da criação é chamado mandato social. Nele vemos que o homem foi criado para se relacionar com outros homens, muito mais do que para se relacionar com os animais. Fomos criados para uma vida em comunidade: comunidade de pessoas e não uma comunidade de cachorros. Isso justifica o motivo de a vida humana ser tão superior em valor do que a vida animal. Alguns textos bíblicos podem ser úteis nesse entendimento: O salmo 8.5 afirma que “Tu o fizeste um pouco menor do que os anjos e o coroaste de glória e de honra”, mostrando a importância do homem. Além desse temos na Escritura diversos mandamentos para a vida em sociedade, sendo o maior deles “amarás o teu próximo como a ti mesmo” (Mateus 22:39). Confesso que nunca li na Bíblia “amarás o teu animal como a ti mesmo”.

Mas, pelo menos a mim, algo causa ainda maior espanto: o modo como a sociedade tem tratado a vida humana intrauterina. A causa abortista não ganha nem de longe a mesma proporção que a morte dessa cachorro causou. Não vemos pessoas vociferando pelas ruas e pelas redes sociais sua indignação contra a morte de crianças que se encontravam ainda no útero. Isso porque nossa sociedade e sua insensatez sem fim perdeu a noção de duas coisas básicas: a primeira delas é que o feto é um ser humano. Desde a concepção há ali uma pessoa, e não uma “pessoa em potencial”. O salmo 139 nos elucida quanto a isso dizendo que Deus viu o salmista quando este ainda era uma substância informe. Isso leva ao segundo item: a sociedade perdeu a noção de que aborto é assassinato. Nada vai mudar o fato de que tirar uma vida humana chama-se assassinato. E como todo assassinato, deveria haver grande comoção nacional toda vez que um feto é abortado. O modo como as pessoas tem tratado os fetos e os cachorros é demonstração clara da inversão de valores e da completa insensatez do nosso século.

O mandato cultural

E quanto aos animais? A resposta para o trato com os animais está no mandato cultural: Deus criou todas as coisas e colocou-as sob a administração do homem. Foi ao homem dada a função de cuidar, mas também usufruir, de toda a criação. O dicionário de ética de Carl Henry diz o seguinte: “Mas, assim como Deus pode usar toda a sua criação para a sua própria glória no contexto de sua natureza boa e santa, assim, também, o homem pode usar todos os animais, mas com responsabilidade” (pg 42). Isso significa que podemos sim comer animais. Podemos usa-los para o trabalho também. O que não é permitido ao homem é que maltrate esses animais.

Finalizo com as palavras de um pastor amigo:

“Realmente sempre encontramos pesos e medidas diferentes em se tratando de animais. Quando era criança sabia que a vizinhança matava os gatos que perambulavam pelos telhados das casas. Mas cachorro de rua, ninguém punha a mão. Eu já matei vários ratos (ratoeira e veneno). Já matei um gambá (eletrocutado rsrsrs). Já matei cobra. Já matei peixe. O ser humano tornou-se um predador, após o pecado. Deus alertou Noé, após sua saída da arca que os animais teriam “pavor e medo” de nós. E devem mesmo! Na mesma conversa, Deus liberou Noé e sua família a comer “tudo o que se move sobre a terra”. (Gn 9). Isso é extremamente abrangente. Não era para ser assim. No propósito inicial e perfeito da criação, animais seriam usados de forma sábia e pertinente pelos homens para o desenvolvimento da criação. Paulo fala que o pecado foi horrível para os animais (Rm 8). E eles aguardam a “revelação dos filhos de Deus”. Curioso não? Eles aguardam. Bom, o pecado afetou todo equilíbrio da criação. Pragas não deveriam existir, nem a crueldade e nem a morte. Após o pecado, animais são cruéis com animais. Animais são cruéis com seres humanos. Humanos são cruéis com animais. Humanos são cruéis com humanos. Maldito pecado! Em Cristo somos renovados e desafiados a nos relacionar uns com os outros e com toda a criação de forma mais justa, sábia e amorosa. Mas sempre me pergunto, quantas baratas Jesus matou em sua vida?”

Em Cristo,

Vítor Laguardia

Anúncios

A diferença é mais que moral

Diante da fábrica de mentiras e calúnias feitas pela imprensa, mais o constrangimento autoritário fascista feito por artistas, jornalistas e ate colegas de trabalho, afirmo sim: a divisão entre os eleitores de Jair Bolsonaro e os fanáticos religiosos do “Helenão” é moral. E isso sem contar a tentativa de assassinato contra Bolsonaro.

Nós temos morais diferentes. Nós temos éticas diferentes. Nós comungamos de valores espirituais diferentes. E as diferenças entre nós e os fanáticos que usam qualquer expediente é irreconciliável.
Brazilian presidential candidate Jair Bolsonaro reacts after being stabbed during a rally in Juiz de Fora

Por trás da reportagem da Folha sobre a ex-mulher de Bolsonaro há algum vazador que acha razoável expor a intimidade de uma família, de um problema já superado, com fins políticos. Por trás da calúnia contra Carlos Bolsonaro, acusando-o de apologia à tortura no Instagram, há uma imprensa que acha que está salvando o Brasil por meio da mentira e da injúria.

Não há comunhão entre luz e trevas. Eu não tenho comunhão com esse tipo de gente, ainda que se digam cristãos. E, sim: diria na sua cara, seja você quem for, isso.

Só há uma solução para essa crise: o sangue de Cristo purificando esses fanáticos de seu zelo e convencendo-os de que não é com mentiras e calúnias que se salva uma nação. Arrependa-se, especialmente se você se diz cristão e está propagando mentiras, lamentando que Bolsonaro não tenha morrido, celebrando a exposição de um problema familiar já superado!

Vou além. Aquilo que odiamos nos controla. Os fanáticos do “Helenão” fizeram de Bolsonaro seu deus. Ele os controla. Sua felicidade foi posta nas mãos dele. Sua felicidade, sua paz, seu senso de justiça…tudo é referenciado por ele.

E quem quiser me dar “conselho” (quem lê, entenda), que guarde pra você. Sim, há gente adorando Bolsonaro. Mas eles estão mais em seus opositores do que em seus eleitores. E só um cego não vê isso.

Mudar a presidente não é o suficiente

Escrevo este texto poucas horas depois do anúncio de que o Congresso Nacional acolheu a abertura do pedido de impeachment da presidente do Brasil, Dilma Rousseff. Para muitos, como eu, um eventual impeachment representa um alívio e uma esperança para o país, mergulhado em denúncias de corrupção, rombo nas contas públicas (um Governo que gasta muito mais do que arrecada com impostos) e uma grave crise econômica. Um novo presidente pode significar mudanças positivas que ajudem a reverter esse quadro tão negativo.

Contudo, o maior erro que podemos cometer é achar que o presidente certo será a salvação do Brasil, como se precisásssemos apenas de um novo líder. Mesmo que trocássemos, instantaneamente, todos os integrantes dos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, ainda assim o Brasil estaria longe de deixar o seu atraso. Um golpe militar que desse a algum sábio ditador poderes absolutos ainda não seria suficiente para trazer o Brasil para o grupo dos países mais desenvolvidos do mundo.

Um país apodrecido

Nossa situação é muito parecida com aquela vivida pelo reino de Judá, no século VIII antes de Cristo. Veja em Isaías 1 como Deus avaliava o estado de seu povo naqueles dias.

Ai, nação pecadora, povo carregado de iniqüidade, descendência de malfeitores, filhos corruptores; deixaram ao Senhor, blasfemaram o Santo de Israel, voltaram para trás. Por que seríeis ainda castigados, se mais vos rebelaríeis? Toda a cabeça está enferma e todo o coração fraco. Desde a planta do pé até a cabeça não há nele coisa sã, senão feridas, e inchaços, e chagas podres não espremidas, nem ligadas, nem amolecidas com óleo.
Isaías 1:4-6

Demais? Vejamos: por dia, são assassinadas no Brasil mais de 150 pessoas. É mais que o número de mortes do conflito entre israelenses e palestinos. Na última década, o número de divórcios subiu 160%! Mais de 340 mil apenas em 2014. O Vale do Rio Doce e o litoral capixaba sofrem com a maior tragédia ambiental da nossa história. Não se respeita a vida, o casamento e a criação.

Na verdade, é interminável a lista dos graves pecados cometidos diariamente pelo brasileiro. Nosso emprego dos sonhos é o serviço público, porque ganha mais, trabalha menos e ainda tem estabilidade. Dito de outra forma, valorizamos mais a preguiça do que o trabalho. As crianças não respeitam os pais e a violência nas escolas explode. Aliás, os pais querem que as escolas eduquem os filhos, e a educação que o Estado quer oferecer é o marxismo e a ideologia de gênero, desconstruindo o modelo familiar ensinado na Bíblia. Os bandidos são presos e ficam em presídios lotados e imundos, e isso, quando o juiz não manda soltar! Mesmo os policiais são pegos quase todos os dias em casos de abuso de autoridade, execuções informais e até de conluio com o crime organizado.

Faltou tanta coisa ainda! O amor à sensualidade, o desleixo com a saúde pública (basta olhar o surto de bebês com microcefalia), o culto que gira em torno de dinheiro e prosperidade, a impunidade confundida com graça, o jeitinho que nunca segue regras, a glorificação do malandro…não é exagero algum dizer que, da planta do pé ao alto da cabeça, não há nada são no Brasil.

brasillama

Um povo apodrecido

No entanto, o brasileiro gosta de pensar que o problema está apenas na cabeça. O povo é bom, honesto e trabalhador. O único problema seria a elite política e empresarial corrupta que governa a Nação. Se os políticos e os empresários fossem trocados por gente do povo, o Brasil seria um país justo e ordeiro.

Outros, mais sofisticados, insistem que o nosso problema é “de cabeça”, de mente, de educação. Estamos presos a ideologias do atraso. Se aprendermos mais sobre política, economia, sociologia e filosofia, mudaríamos nossa forma de ser e agir. O Brasil seria um país de Primeiro Mundo, mas com seu tempero tropical.

Se, porém, levamos o texto bíblico e a realidade a sério, precisamos entender que o nosso problema é de cabeça e de coração. Não é apenas a elite que é corrupta. O povo também rouba. Também trai a mulher e abusa dos enteados. Também mata, estupra e espanca todo mundo em casa. O povo também gosta de sensualidade, drogas e dinheiro fácil. Não é apenas a educação do Brasil que é corrompida, mas também seu coração. Verdade seja dita: eu, você e mais um monte de cristãos amamos e valorizamos a vida fácil e detestamos o trabalho duro! Muitas vezes preferimos pecar e ter dinheiro no bolso do que ser santos e viver na miséria.

O primeiro passo para a mudança não é trocar de presidente: é aceitar o julgamento de Deus a nosso respeito! Precisamos parar de acreditar que somos a Israel fiel dos dias de Josué, de Davi ou de Salomão, que o Senhor gosta tanto de nós que Ele é brasileiro! Não! Somos o doente incurável que está diante do Senhor dos Exércitos.

Uma igreja apodrecida

E os protestantes e evangélicos que não se iludam, achando que todos os males do Brasil são culpa dos que não conhecem a Deus. Também sobre nós se aplica o que o Espírito Santo fala em Isaías 1:

De que me serve a mim a multidão de vossos sacrifícios, diz o Senhor? Já estou farto dos holocaustos de carneiros, e da gordura de animais cevados; nem me agrado de sangue de bezerros, nem de cordeiros, nem de bodes. Quando vindes para comparecer perante mim, quem requereu isto de vossas mãos, que viésseis a pisar os meus átrios? Não continueis a trazer ofertas vãs; o incenso é para mim abominação, e as luas novas, e os sábados, e a convocação das assembléias; não posso suportar iniqüidade, nem mesmo a reunião solene. As vossas luas novas, e as vossas solenidades, a minha alma as odeia; já me são pesadas; já estou cansado de as sofrer. Por isso, quando estendeis as vossas mãos, escondo de vós os meus olhos; e ainda que multipliqueis as vossas orações, não as ouvirei, porque as vossas mãos estão cheias de sangue. Isaías 1:11-15

Não faz tanto tempo assim que saí do Brasil. Mas, pelo que me lembro, as igrejas do Brasil estão muito preocupadas com crescimento. De modo geral, todas as denominações desejam isso, o que muda é a receita. Algumas prometem prosperidade, desde que sejam trazidas gordas ofertas e dízimos generosos para o culto. Outros querem uma igreja simpática, que acolhe o pecador…e o pecado. Não disciplinam, não confrontam, não são explícitas quanto ao Evangelho…e o resultado é que o pecado está misturado com o culto solene. Os adoradores continuam com sangue nas mãos…o sangue das vítimas da violência, dos roubos, dos adultérios…e esse sangue nunca é lavado. Não há arrependimento. Apenas tolerância.

Era exatamente assim o culto nos dias do profeta Isaías. Os judeus pensavam que as ofertas cobririam os pecados. Que bastava sacrificar animais gordos e fazer cultos bonitos, que Deus ignoraria o pecado. A preocupação era toda exterior: ninguém examinava seus atos diante de Deus. O resultado: cultos e orações rejeitados por um Deus cansado de sofrer com o pecado de Seu povo.

cultouniversal

A única salvação possível

Humanamente, nem a Israel do século VIII a.C. e nem o Brasil do século XXI possuem esperança. O câncer já se alastrou e a infecção é generalizada. Mas Deus não é homem. Há uma solução:

Lavai-vos, purificai-vos, tirai a maldade de vossos atos de diante dos meus olhos; cessai de fazer mal. Aprendei a fazer bem; procurai o que é justo; ajudai o oprimido; fazei justiça ao órfão; tratai da causa das viúvas. Vinde então, e argüi-me, diz o Senhor: ainda que os vossos pecados sejam como a escarlata, eles se tornarão brancos como a neve; ainda que sejam vermelhos como o carmesim, se tornarão como a branca lã. Se quiserdes, e obedecerdes, comereis o bem desta terra. Mas se recusardes, e fordes rebeldes, sereis devorados à espada; porque a boca do Senhor o disse.
Isaías 1:16-20

Se houver mudança, se houver arrependimento, há purificação. Ainda que tenhamos derramado tanto sangue que nossa alma esteja vermelha escarlate, o Senhor nos tornará brancos como a neve. Se houver santidade, o cadáver insepulto reviverá.

Mas essa não é uma obra que eu e você possamos fazer. Para nós, com a nossa força, é impossível lavar-se e purificar-se. Mudar o coração está além de nossa capacidade. Todavia, o mesmo Isaías nos fala quem pode fazer isso por nós:

Verdadeiramente ele tomou sobre si as nossas enfermidades, e as nossas dores levou sobre si; e nós o reputávamos por aflito, ferido de Deus, e oprimido. Mas ele foi ferido por causa das nossas transgressões, e moído por causa das nossas iniqüidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados. Todos nós andávamos desgarrados como ovelhas; cada um se desviava pelo seu caminho; mas o Senhor fez cair sobre ele a iniqüidade de nós todos. Isaías 53:4-6

Isaías falava a respeito de Jesus, o nosso Salvador, que tomou sobre si as nossas enfermidades, dores e pecados. O castigo por cada homicídio, adultério, idolatria, roubo e transgressão foi lançado sobre Jesus. Todos os que são salvos foram, um dia, ovelhas desgarradas e desviadas, mas Jesus sofreu no nosso lugar para nos trazer salvação.

Todavia, ao Senhor agradou moê-lo, fazendo-o enfermar; quando a sua alma se puser por expiação do pecado, verá a sua posteridade, prolongará os seus dias; e o bom prazer do Senhor prosperará na sua mão. Ele verá o fruto do trabalho da sua alma, e ficará satisfeito; com o seu conhecimento o meu servo, o justo, justificará a muitos; porque as iniqüidades deles levará sobre si. Por isso lhe darei a parte de muitos, e com os poderosos repartirá ele o despojo; porquanto derramou a sua alma na morte, e foi contado com os transgressores; mas ele levou sobre si o pecado de muitos, e intercedeu pelos transgressores. Isaías 53:10-12

Em Isaías 1:16-20, a Bíblia nos fala que, se quisermos e obedecermos, comeremos o bem desta terra. O que é isso, se não o bom prazer do Senhor? Só entra nesse prazer aqueles que fazem parte da posteridade de Jesus. O sofrimento de Jesus foi expiatório, ou seja, o sofrimento d’Ele aplacou a ira de Deus sobre o nosso pecado e nos tornou propícios a Deus.

Quando depositamos nossa fé em Jesus e aceitamos o Seu conhecimento, ou seja, a Sua Palavra, somos salvos. Jesus nos justifica e nos faz parte de Sua podteridade. Ele leva sobre si o nosso pecado e intercede por nós. E é por meio dessa amizade que somos transformados. É Cristo quem nos leva ao verdadeiro arrependimento e transforma nossas vidas sujas em algo mais branco que a neve.

Bem sei que é apenas no fim dos tempos que todos verão que Jesus é a Verdade. Até lá, os países não aceitarão serem governados por Cristo. Cedo ou tarde, a mesma podridão alcançará o mundo inteiro. Mas, enquanto isso não acontece, os povos que mais ouvem essa mensagem e seguem ao Senhor são mais preservados por Ele. Já os que não lhe dão ouvidos, mesmo que sejam materialmente prósperos, apodrecerão e sofrerão o juízo divino. E isso já está acontecendo.

Até lá, uno-me aos profetas que clamam: “Brasil, olha pra cima!”

Graça e paz do Senhor,

Helder Nozima
Barro nas mãos do Oleiro