Brasil: pior do que Corinto

Nos Estados Unidos, os brasileiros são conhecidos por algumas características. As mulheres são muito desejadas (as mulheres mais bonitas do mundo, dizem). Já os homens têm uma fama bem ruim: infiéis, mulherengos e enganadores. Em geral, diz-se que o Brasil é um país de corpos bonitos, e as pessoas que vão ao Brasil e conhecem a realidade, voltam meio decepcionadas quando não encontram toda a beleza e a sensualidade que esperavam.

Na verdade, o brasileiro se orgulha disso. No país da malandragem, a sexualidade não poderia deixar de ser contaminada. Pureza, modéstia e simplicidade são defeitos. Os homens gostam da fama de terem muitas mulheres ou de atraírem o desejo de várias. Muitas mulheres também gostam de colocar fotos provocativas e de ganhar curtidas de homens nas redes sociais. Até na hora de escolher um cônjuge, muitos cristãos preferem a sensualidade à seriedade e à responsabilidade.

Inofensivo, certo? Pelo menos aqui não explodimos ninguém por causa da fé ou não vemos atiradores em escolas. Melhor ser sensual e alegre do que triste e depressivo, não é mesmo? Mas todo pecado leva à morte, como Paulo ensina em Romanos 3:23

porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor.

E morte é exatamente o que encontramos quando vivemos uma sociedade onde o estupro coletivo parece tr se banalizado. Como se não bastasse o choque de uma adolescente ser estuprada por cerca de 30 pessoas, agora há a notícia de uma menina de 11 anos de idade que foi dopada e estuprada em uma festa junina de igreja católica! Pior: ela foi abusada por outros menores de idade.

O que produz isso? Creio que parte da resposta pode ser achada na primeira carta do apóstolo Paulo aos coríntios. O nosso texto-base segue abaixo:

Geralmente, se ouve que há entre vós imoralidade e imoralidade tal, como nem mesmo entre os gentios, isto é, haver quem se atreva a possuir a mulher de seu próprio pai. E, contudo, andais vós ensoberbecidos e não chegastes a lamentar, para que fosse tirado do vosso meio quem tamanho ultraje praticou?
Eu, na verdade, ainda que ausente em pessoa, mas presente em espírito, já sentenciei, como se estivesse presente, que o autor de tal infâmia seja,
em nome do Senhor Jesus, reunidos vós e o meu espírito, com o poder de Jesus, nosso Senhor, entregue a Satanás para a destruição da carne, a fim de que o espírito seja salvo no Dia do Senhor Jesus.
Não é boa a vossa jactância. Não sabeis que um pouco de fermento leveda a massa toda? Lançai fora o velho fermento, para que sejais nova massa, como sois, de fato, sem fermento. Pois também Cristo, nosso Cordeiro pascal, foi imolado. Por isso, celebremos a festa não com o velho fermento, nem com o fermento da maldade e da malícia, e sim com os asmos da sinceridade e da verdade. (1 Coríntios 5:1-8)

Quando a Igreja é pior que o mundo

Espera-se de uma igreja que, apesar de suas falhas, tenha um padrão de conduta superior ao da sociedade ao redor. Isso não deveria ser difícil no caso da cidade de Corinto. Lá ficava um grande templo dedicado à deusa Afrodite, e muitas sacerdotisas se prostituíam com os adoradores, como uma forma de culto. A cidade também era um porto, local de passagem de vários marinheiros que estavam longe da vista de suas esposas e entediados depois de semanas ou meses no mar. Em Corinto, o sexo estava no ar da cidade e intoxicava quem passava por lá.

Seria possível que alguma coisa pudesse chocar os coríntios? Sim. Na igreja de Corinto acontecia uma imoralidade sexual que não era tolerada nem mesmo entre os pagãos. Um homem da Igreja possuía a mulher do pai, provavelmente a madrasta. O fato estava na boca do povo e até Paulo, que nem estava na cidade, soube do escândalo.

Contudo, a Igreja não se lamentou e andava ensoberbecida, orgulhosa de si mesma e de sua suposta santidade. Enquanto uma família desmoronava sob o peso do escândalo, eles discutiam se os cristãos que oravam em línguas eram ou não mais espirituais qe os outros. O pecador não era constrangido. Ele não foi tirado do meio da Igreja. O seu pecado era conhecido e tolerado. E assim a Igreja tornava-se mais imoral que os pagãos.

threemonkeysÉ algo assim que faz do Brasil um país onde crianças são estupradas em uma festa de igreja. Mesmo na imoral Corinto havia limites. Certas práticas sexuais eram condenadas e reprimidas pela sociedade. O respeito pelo próprio pai era um desses limites. No Brasil, porém, o povo canta músicas que fazem apologia ao estupro. A nossa festa máxima é marcada pelos corpos nus e seminus expostos ao público, e por uma promiscuidade sexual que é elogiada pelos jornalistas. E o brasileiro se orgulha de ser quem é. “O melhor do Brasil é o brasileiro”, diz o ditado. Andamos ensoberbecidos e não afastamos os imorais do nosso meio.

Gostaria de dizer que os cristãos são diferentes, mas não parece ser o caso. Volta e meia descobrimos casos de adultério, abuso sexual e violência sexual mesmo em meio aos líderes. Há oficiais da Igreja que adulteram, a Igreja sabe, e eles não são confrontados. O menino “pegador” não é recriminado, nem pelos pais e nem pelos seus líderes. Falar da decência no vestir-se é pedir para ser chamado de fariseu.

A necessidade da disciplina

Entretanto, por mais difícil que seja confrontar alguém por causa de um pecado sexual tão escandaloso, essa confrontação é necessária. Omitir-se é pecado. Pior, é o pecado que permite que o mal crie raízes, seja repetido e aprofundado.

No caso da Igreja, a Bíblia é clara. Os irmãos que se envolvem em imoralidades sexuais tão graves devem ser retirados da comunhão. Tais pessoas devem ter suas carnes “entregues a Satanás”, na esperança de que a disciplina produza arrependimento e o espírito seja salvo no dia de Jesus. A restauração não pode acontecer se a justiça não for feita.

A Bíblia usa ainda uma outra figura: a do fermento. Não é preciso muito fermento para levedar toda a massa do pão. O que isso significa? É simples: quando toleramos um pouco de pecado, e não o confrontamos, não pregamos contra, não alertamos as pessoas sobre ele, esse pecado passa a fazer parte da cultura da Igreja. Ele se torna algo normal, um desvio que qualquer um pode cometer. E o mesmo vale para qualquer sociedade.

Na hipótese mais branda, os estupradores deveriam receber uma punição equivalente ao dano que eles provocaram. Mas isso não é suficiente. O velho fermento precisa ser jogado fora. O brasileiro tolera a sensualidade, o adultério, a prostituição e a promiscuiade como algo saudável e normal. Sim, até o adultério…quem nunca ouviu (e se calou) diante de um colega de trabalho que falou abertamente sobre as vezes em que traiu a esposa? Se não há nenhuma repreensão ou choque diante desses relatos, é porque o adultério já levedou também.

É preciso jogar fora a cultura da imoralidade, da sensualidade, da pornografia, do ficar, do baile funk e do sertanejo universitário, da arte que glorifica e exalta a imoralidade e é cantada e celebrada pelo povo como cultura. É preciso rejeitar esse vínculo identitário do brasileiro com a imoralidade. Isso não faz parte da nossa identidade, da nossa essência, do que somos. E confrontar e disciplinar adequadamente os imorais é uma ótima forma de começar isso.

Sinceridade e verdade

Mas apenas disciplinar não resgatará uma igreja ou um país de uma cultura de pecado. É preciso substituir um amor pelo outro. No caso, o amor pela maldade e pela malícia deve dar lugar ao nosso amor pela sinceridade e pela verdade. E isso só pode ser feito por meio de Jesus Cristo.

No texto que lemos, a Bíblia nos diz que precisamos ser “uma nova massa”. Depois que uma massa de pão fermenta, não há mais como retirar o fermento. É preciso fazer outra massa. Da mesma forma, uma vez que o pecado entra em nós, não há mais como redimir o nosso velho ego. Uma nova identidade, uma nova natureza, uma nova criação precisa ser feita. E apenas Jesus pode fazer isso.

Não há como rejeitar o estupro e tolerar a pornografia ou mesmo a música que canta um estupro. Não há como rejeitar a imoralidade sexual sem rejeitar também a maldade, a malícia, a mentira, a desonestidade e tudo o que compõe o nosso ego atual. É preciso jogar a massa fora, jogar a nossa identidade fora, negar radicalmente o que somos. E, então, permitir que Cristo faça de nós uma nova massa, marcada pela sinceridade e pela verdade.

Shmura_MatzoPor que a Bíblia fala dos pães asmos (sem fermento) aqui? A referência é ao sacrifício da Páscoa, quando os judeus imolavam um cordeiro e comiam pães asmos para relembrar o dia em que saíram do Egito, deixaram de ser escravos e se tornaram livres. Porque Cristo foi imolado na cruz, como o nosso Cordeiro Pascal, nós também podemos ser libertos da nossa escravidão ao pecado.

Se Cristo nos criar, nossos relacionamentos serão marcados pela sinceridade. Jogos românticos, estratégias para enganar, a busca de oportunidades para abusar do nosso próximo, nada disso terá lugar. Falsas promessas de amor não serão feitas. Pessoas que não estão prontas para assumir um relacionamento não poderão esconder isso de ninguém. A sinceridade não convive com disfarces.

A verdade não deixará lugar para a falsidade e a mentira. O amor não será fingido, mas verdadeiro. Não haverá motivos para a desconfiança. Quando o erro acontecer, ele será confessado. E nós poderemos perdoar, porque as intenções da confissão são verdadeiras.

Para refletir

Talvez você esteja pensando o quão distantes nós estamos de atingir esse padrão. De fato, somente Jesus pode amar e se relacionar assim. Mas, se Cristo é o nosso Cordeiro Pascal, o nosso Deus, e se nos alimentamos d’Ele, Ele fará de nós uma nova massa. Não importa o quão levedados pelo pecado nós somos, que coisas horríveis estão no nosso passado. Para vítimas e para criminosos, para todos nós, há a esperança de sermos uma nova massa. Cristo tem esse poder.

Enquanto isso, podemos refletir em algumas perguntas:

1) Que brechas tenho aberto para a sensualidade na minha vida pessoal? Tenho conversas ou ouço músicas que me ensinam a me relacionar de modo imoral? Vejo sites, programas de TV, filmes ou jogos que ensinam a imoralidade como algo normal?

2) Qual a gravidade que atribuo aos meus pecados sexuais? Será que os considero como algo inofensivo e que não pode crescer? Ou tenho dado a eles o peso que a Bíblia lhes dá?

3) Acredito mesmo no poder de Jesus para renovar todo o meu ser? Tenho buscado ler a Bíblia, orar e ter conversas que me ajudam a confiar n’Ele e renovar a minha mente?

4) O que desejo promover em meus relacionamentos: maldade e malícia ou sinceridade e verdade? Minhas ações e a forma como gasto meu tempo mostram que tenho promovido o quê?

5) Como minha igreja e minha comunidade tem tratado dos graves pecados que ocorrem em seu meio? O que posso fazer para ajudar a atingirmos o padrão bíblico sobre como lidar com graves pecados?

Graça e paz do Senhor,

Helder Nozima
Barro nas mãos do Oleiro

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s